Desvios nos custos de obra, onde está o problema?

Tempo de leitura: 5 min

Escrito por eliogualberto
em 14 de abril de 2018

Desvios nos custos de obra: ONDE ESTÁ O PROBLEMA?

Um tema constante na realização de obras de qualquer tipo é a dificuldade de se concluir um projeto dentro de um custo inicialmente calculado.

Durante a realização do empreendimento vários itens serão afetados por causas não previstas, alterando valores planejados.

Tratando de itens isolados, isto, por si só, não fará com que o custo final seja comprometido.

É importante salientar que qualquer projeto deverá ter uma margem de erro tolerável, que pode variar em função dos personagens e recursos envolvidos na realização do objeto: projeto, empreendedor, construtor, gerenciador e clientes.

Quando se trata, por exemplo, da construção de prédios por uma incorporadora que executa projetos semelhantes, com alguma constância, a margem de erro será bastante reduzida, se esta empresa dispõem e utiliza ferramentas de controle, histórico e gerenciamento eficazes.

Já no caso de algum empreendedor que se lança a realizar um projeto por conta própria, tomando a gestão de todo o processo para seu próprio gerenciamento, sem a consultoria de uma profissional ou empresa de engenharia que compatibilize todas as etapas, a chance da margem de erro ser maior será, provavelmente, mais alta.

Do ponto de vista global estas seriam as razões para explicar desvios nos custos de obra significativos, para a maioria dos empreendimentos.

No entanto o que se observa na realidade do dia a dia, tanto em obras públicas quanto privadas, é que os desvios significativos existem mesmo quando os personagens envolvidos são, teoricamente, os adequados para o evento.

A explicação para este problema, quase sempre reside em um ponto: Projeto não resolvido.

Quando destaco o termo projeto não resolvido é importante salientar que falo do conjunto das peças técnicas necessárias a realização do empreendimento (projetos de arquitetura, estrutura, instalações, complementares, memoriais, especificações, estudos técnicos).

Isoladamente cada peça técnica pode ter uma qualidade até boa, porém, a execução de uma obra é uma atividade multidisciplinar e estas várias disciplinas precisam se tornar uma peça única (Projeto) para que o objeto seja satisfatoriamente concluído.

Nesta fase de elaboração dos projetos os aspectos relevantes para o sucesso da empreitada, basicamente, são:

1 – O projeto precisa representar a intenção do cliente.

Se ele não expressa esta intenção, fatalmente recebera alterações durante o curso da obra que vão gerar novos custos para serem readequados, gerando desvios nos custos de obra.

  • Para definição do projeto de arquitetura, que é o projeto chave de uma construção, as fases anteriores ao projeto preliminar devem ser plenamente utilizadas, como pesquisas de mercado e viabilidade para que o empreendedor saiba que sua intenção é comercialmente viável no caso de empreendimentos a serem comercializados;
  • Deve haver uma checagem das exigências legais (uso de solo, meio ambiente, corpo de bombeiros, concessionárias de serviços públicos) para concepção do projeto;

  • O programa de necessidades deve detalhar ao máximo a ideia que se pretende realizar para que o PROJETO PRELIMINAR consiga demonstrar com clareza o que será construído;

  • Nesta fase do projeto preliminar os projetistas dos grandes projetos complementares (estrutura e instalações) já precisam estar envolvidos, pois aqui se define a melhor solução técnica a ser adotada no projeto básico;

2 – Definido o projeto de arquitetura é preciso caracterizar que o PROJETO BÁSICO é o conjunto de todas as peças técnicas necessárias ao pleno entendimento da obra a ser executada.

É nesta fase que a COMPATIBILIZAÇÃO surge como um dos elementos mais importantes para garantia de sucesso de qualquer empreitada.

Uma equipe ou profissional precisa checar se todas as peças técnicas estão plenamente alinhadas para que obra seja executada como uma grande montagem, com todos os elementos se encaixando satisfatoriamente, e retornar para cada projetista qual correção precisa ser feita, a fim de garantir esta compatibilidade.

Compatibilização de projetos para evitar desvios nos custos de obra

A falta de compatibilização ou compatibilização falha/insuficiente ocasionarão retrabalhos, às vezes significativos durante a execução da obra, tanto do ponto de vista do prazo quanto do custo.

3 – Com o projeto básico definido e compatibilizado deve se gerar o PROJETO EXECUTIVO, que é a versão final do projeto com todos os elementos necessários a plena execução da obra.

Não é um novo projeto ou algo diferente do projeto básico e sim um maior detalhamento dos itens componentes daquele, de forma a tornar a execução o mais fiel possível ao projetado.

Um exemplo simples para visualização: o projeto básico definirá que será utilizado piso de granito cinza 50x50cm e o projeto executivo fará a paginação detalhada do mesmo.

Este projeto vai garantir que o custo da obra seja feito de forma muito precisa, com desvio mínimo, quanto a definição do objeto.

gráfico previsto x realizado

Para ordem de grandeza quanto a incertezas nos custos de obra, cito abaixo o grau de precisão nos custos, por fase de projeto, segundo tabela de uso em órgãos públicos:

Precisão

Margem de Erro

Projeto

Elementos Necessários

Baixa

30%

Anteprojeto (Preliminar)

-Área a ser construída;

-Padrão de acabamento;

-Custo unitário básico.

Média

10 a 15%

Projeto Básico

– Plantas principais;

-Especificações básicas;

-Preços de referência.

Alta

5%

Projeto Executivo

-Plantas detalhadas;

-Especificações completas;

-Preços negociados.

Esta tabela nos dá uma visão bastante apurada da importância de se definir bem um projeto, para evitar os desvios nos custos de obra.

Veja que esperar uma precisão de 5%, desenvolvendo uma obra com projeto básico, não é nada razoável, pois nesta fase a precisão esperada pode variar até 15%.

Com isto quero concluir sobre a importância de todos os envolvidos em um grande empreendimento tornar muito claro aos responsáveis pelas decisões que o projeto precisa ter a atenção necessária.

É preciso ter prazo suficiente para a correta elaboração, contratação de profissionais com a devida experiência no tipo de empreendimento e consciência de que as dúvidas e possibilidades precisam ser esgotadas nas fases de definição e elaboração dos projetos.

Assim a obra, etapa de maior custo da maioria dos empreendimentos, poderá ter uma condução equilibrada e os valores previstos poderão ficar dentro do que foi planejado.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


Seja o primeiro a comentar!