Aço da Turquia para Combater a Alta dos Preços da Construção

Tempo de leitura: 5 min

Escrito por eliogualberto
em 11 de julho de 2021

Aço da Turquia para combater a alta dos preços dos materiais de construção no Brasil, sim é esta a solução encontrada pela CooperconSC e CBIC.

O primeiro carregamento de 20 mil toneladas de aço vindos da Turquia chegaram ao Porto de São Francisco do Sul, em Santa Catarina, nesta semana, finalizada pela sexta-feira de 08/07/2021.

Aço da Turquia para Combater Alta dos Preços

Quem são os responsáveis por esta importação

A organização do processo foi feita pela Cooperativa da Construção Civil do Estado de Santa Catarina (CooperconSC) e a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC)

Estas entidades captaram empresas interessadas em adquirir o aço importado, em processo iniciado no final de 2020

No final de fevereiro chegaram ao montante de 20 mil toneladas demandados pelas empresas interessadas.

Foram 137 empresas de oito estados brasileiros que se reuniram para trazer o navio completo com importação de aço da Turquia.

Porque importar aço se o Brasil é um grande produtor?

Neste momento a construção civil sofre com a disparada dos preços dos insumos, assim como toda a economia brasileria.

Segundo o presidente da CBIC, José Carlos Martins, além dos altos preços, a indústria nacional não está entregando o insumo necessário.

As siderúrgicas dizem que não há problema de produção, mas as distribuidoras dizem que não têm material.

O presidente da CBIC destacou ainda que:

É preciso provocar um choque de oferta no setor, com estímulos à entrada do insumo importado no mercado brasileiro.

Assim, é possível ampliar a oferta e reduzir preços e prazos de entrega”.

Esta importação gerou economia de 5% em relação aos preços praticados pela indústria nacional.

Como foi feito o processo para Importar Aço da Turquia para Combater Alta dos Preços

Diante do problema gerado pelo baixo volume de atendimento as necessidades das construtoras e os elevados preços no mercado interno, a CooperconSC, apoiada pela CBIC, avançou no projeto de viabilizar a importação de aço CA-50 da Turquia.

O presidente da CooperconSC, Roberth Meinert, explicou como foi o processo:

Após aprovação por toda diretoria realizamos a homologação de usinas na Turquia e o processo de certificação no Inmetro tanto da usina quanto da CooperconSC como importador.

Com isto tornamos nosso material da marca SC 50 totalmente de acordo com as normas ABNT e 100% de acordo com processo da Portaria 73/2010 do Inmetro.

Também obtivemos, por meio da Receita Federal do Brasil, o Radar Ilimitado para realizar importações de qualquer valor

O Aço da Turquia tem a qualidade necessária?

Entre 2018 e 2020 foram realizados três processos de importações de menor volume, para atestar a qualidade do material e a garantia que o processo de importação estava pronto para assumir operações de grandes volumes.

A CooperconSC e CBIC junto com as incorporadoras já fecharam um segundo lote de aço importado, com mais um navio de 20 mil toneladas, que deve chegar em setembro deste ano de 2021.

Importação de Aço da Turquia

E deve abrir a captação de volumes para um terceiro lote com data prevista de entrega do material para novembro.

A demanda é ainda maior, conforme relata Roberth Meinert:

“Ainda visualizamos demanda no mercado para fechar dois ou três navios para entrega ainda em 2021.

Pois o mercado continua pressionando por agilidade na entrega de aço para cumprir seus cronogramas de obras em andamento.

E principalmente poder voltar a efetuar lançamentos de novos empreendimentos que já estão com projetos aprovados, mas que com a falta de insumos, principalmente aço.

Além dos elevados reajustes, já notamos uma redução no ritmo da construção civil no país”

Há espaço para redução dos preços do Aço importado da Turquia?

Os dois fatores essenciais para se ter menor preço na importação de produtos, são a quantidade, viabilizada pela parceria entre as entidades e as incorporadoras, sendo o segundo fator as tarifas de importação.

A CBIC apresentou à Câmara de Comércio Exterior (Camex) do Ministério da Economia uma solicitação de redução da tarifa de importação do aço.

Além disso, esteve com o ministro Paulo Guedes mostrando que, se nada for feito, o consumidor e o próprio governo vão pagar a conta desse aumento de custo, que deverá ser repassado ao preço final das obras.

“Reduzir os preços significa permitir a continuidade da demanda na construção civil e a consequente geração de emprego e renda.

Um país que precisa melhorar sua economia e tem uma série de problemas sociais não pode se furtar de tomar medidas que vão resultar em benefícios socioeconômicos”.

Concluiu José Carlos Martins, presidente do CBIC.

 

Porque é importante esta importação de Aço da Turquia para Combater Alta dos Preços

É muito importante toda iniciativa do empresariado brasileiro e de nossas instituições na busca de viabilizar a construção e realização de projetos, isto sim vai garantir a geração de empregos e renda a nossa população.

Vamos fazer uma pequena simulação.

Imagine um prédio com laje de 400m2 e 15 andares. A área total deste edifício vai ser de 6.000m2.

Podemos estimar o volume de concreto armado para um prédio deste na ordem de 1.500m3, o que vai conduzir a um consumo de aço de cerca de 150 toneladas, para cada edifício.

A importação feita foi de 20.000 toneladas, o que equivale a dizer que teremos o aço necessário para realizar cerca de 140 obras semelhantes a que descrevemos.

Vamos dizer que uma obra desta, que dura cerca de 2 anos, gere 40 empregos diretos.

Com 140 empreendimentos semelhantes teremos a criação de 5.600 vagas de trabalho, isto de empregos diretos, sem analisar os empregos indiretos.

Segundo artigo publicado pela CBI em março de 2020:

“A cada R$ 1 milhão de investimento, a construção civil cria 7,64 empregos diretos e 11,4 empregos indiretos; que geram R$ 492 mil e R$ 772 mil sobre o PIB, respectivamente.

A maior parte do que é investido na construção civil no Brasil retorna como PIB, emprego, imposto e renda.

O setor carrega ampla capacidade de produção, que pode ser desencadeada rapidamente.”

Então você pode ver que os benefícios da construção civil podem ser maiores do que o exemplo que tentei construir para te mostrar o valor da iniciativa desta importação aqui analisada.

Se você conhece outras iniciativas que ajudem o mercado da construção civil, e a economia como um todo, como esta importação aqui comentada, faça um comentário a respeito, sua participação é muito importante para nós do blog Gerência de Obras.

Fontes:

https://blogs.oglobo.globo.com/miriam-leitao/post/setor-da-construcao-civil-importa-aco-da-turquia-para-fugir-dos-altos-precos-nacionais.html

https://www.linkedin.com/company/cbicbrasil/videos/

https://petronoticias.com.br/empresarios-brasileiros-se-unem-para-importar-aco-e-fugir-dos-altos-precos-cobrados-pelas-siderurgicas/

Fotos e vídeos do aço sendo descarregado no Porto de Santa Catarina foram disponibilizadas pelo CBIC/CooperconSC, sendo de propriedade destas entidades.

#engenharia
#engenhariacivil
#construcaocivil
#engenheiro
#construcao
#engenharia

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


2 Comentários

  • Tota e qualquer tentativa para frear os preços e ainda reduzir gradativamente a fim de viabilizar a construção civil é válida. Atuo somente com construções em aço e sinto no bolso a dificuldade em adquirir novas obras. O aço está perdendo competitividade e a madeira que antes era quase obsoleta em alguns setores ganha força novamente. O aço é 100% reciclável enquanto a madeira envolve a questão ambiental. Tudo favorece ao uso do aço, mas isso precisa se viável do ponto de vista econômico.

    1. eliogualberto disse:

      Olá Robson, obrigado por contribuir com seu comentário. Interessante esta sua percepção do uso da madeira, ainda não tinha parado pra analisar isto. Valeu.