CUB de Março de 2021 Análise dos Números

Tempo de leitura: 3 min

Escrito por eliogualberto
em 11 de abril de 2021

CUB de março de 2021 análise dos números.

O CUB de março seguiu a tendência de alta, acompanhando a economia brasileira como um todo, que continua com inflação crescente.

A tendência de aumentos é geral no País, como mostra o IPCA de março que foi o maior registrado, para o mês, desde 2015.

O IPCA foi de 0,93%, com acumulado de 6,10% nos últimos 12 meses.

Dos estados que utilizamos no simulador de custos de obras, como representantes das 4 regiões brasileiras, somente o estado do Pará apresentou tendência de redução nos valores do CUB, o que pode ser explicado como uma acomodação em virtude das fortes altas que seu índice teve nos meses de janeiro e fevereiro.

Menor redução do CUB no Brasil em março/21

A menor variação do CUB de março foi registrada no estado do Pará, com 0,78 %, seguido de Goiás que registrou 0,95%.

Mesmo com o menor índice o Pará tem a maior alta acumulada em 2021, com 7,97%, além do maior aumento acumulado nos últimos 12 meses que foi de 22,31%.

O estado de São Paulo foi o terceiro estado com menor alta no mês, que foi de 1,55%.

Somente estes três estados tiveram aumento do CUB inferior a 2%.

Maiores altas do CUB de março de 2021

As maiores altas no mês foram na Bahia, com 3,36%, e no Distrito Federal, com 2,60%.

No Distrito Federal onde o CUB representativo teve alta de 2,60% o aumento para as construções residenciais foi ainda maior.

No caso das construções residenciais térreas, de padrão baixo, o aumento registrado foi de 3,29%.

Veja no gráfico abaixo as tendências verificadas nos valores do CUB, por estado:

CUB Março 2021 Grafico

Preços dos Materiais em São Paulo

Maiores altas nos materiais

O estado de São Paulo teve alta do “CUB referência” de 1,55%, porém, os materiais tiveram aumento bem superior, registrando 3,87%.

Os preços de materiais que mais subiram em São Paulo são os seguintes:

Fio cobre isolado 750 V 2,5 mm² com 8,16%

Aço CA-50 Ø 10 mm com 7,15%

Disjuntor tripolar 70 A com 5,91%

Tinta látex branca PVA com 5,15%

Porta lisa p/ pintura 3,5x70x210cm com 4,57%

Em 2021 o aço CA-50 de 10mm já acumula alta de 23,64% em São Paulo.

Materiais que menos aumentaram em março/2021

As maiores reduções de preços de materiais, também em São Paulo, foram:

Brita 2 com uma pequena redução de -0,01%

Cimento CPE-32 Saco de 50kg com aumento de 0,42%

Placa cerâmica (azulejo) 15x15cm 1ª linha PEI II com aumento de 0,92%

Abaixo você pode ver o resumo dos números do CUB de março de 2021

Tabela CUB março 2021

Preços e consumo de cimento

Na pesquisa de composição do CUB, no estado de São Paulo, o cimento apresentou uma das menores altas entre os materiais listados, com 0,42%.

No Rio Grande do Sul este material não teve variação de preço em relação ao mês de fevereiro, ou seja, não teve aumento.

De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), o consumo de cimento no mês de fevereiro de 2021, cresceu 14% em relação ao mesmo mês de 2020, apesar da pandemia que tem castigado a maioria dos setores da economia.

A autoconstrução foi um dos fatores que ajudaram no aumento de vendas do setor, conforme relata o economista Flávio Guimarães, do SNIC.

O presidente do SNIC, Paulo Camillo Penna, alerta que os bons números da comercialização do cimento estão bastante ameaçados pela situação geral do país e da economia mundial:

“A forte pressão no preço das commodities está afetando o mundo e no Brasil a situação se agrava em razão da acentuada desvalorização do real. Desta forma, a indústria nacional e do cimento, em particular, vêm enfrentando aumentos expressivos nos custos de produção. Mais do que nunca é fundamental acelerar a vacinação em massa e as reformas, principalmente, a tributária”

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta


*


*


2 Comentários

  • Rafael Lincoln Lobo Nery disse:

    Como entro em contato com o escritório?

    1. eliogualberto disse:

      Boa tarde Rafael. Pode mandar um e-mail para [email protected] ou whatsapp para (62) 99406-2086.